header image

Para a excelência académica

Para a excelência académica

A educação diferenciada não só pode ajudar a reduzir o fracasso escolar como também melhora o rendimento dos alunos. Os bons resultados académicos são um dos motivos pelo qual as famílias escolhem a educação diferenciada.

A Inglaterra é um dos países com maior tradição em centros que fazem uma separação por sexos. Em 2012, das dez melhores escolas do país, quatro eram de “só rapazes”, quatro de “só raparigas” e duas mistas.

Já em 2002, um estudo da National Foundation for Educational Research sobre 3000 Liceus da Inglaterra e 370 000 alunos assinalava que o rendimento académico das raparigas e dos rapazes de escolas estatais de um só sexo eram significativamente melhor do que nas mistas. Não é por acaso, pois, que o Office for Standars in Education – Órgão Consultivo Oficial do Reino Unido – recomenda a separação por sexos nas escolas para evitar as grandes diferenças educativas entre rapazes e raparigas.

Se tivermos em conta os resultados divulgados pelo Telegraph, o jornal mais vendido na Grã-Bretanha, os colégios de educação diferenciada obtêm muito melhores resultados nas provas de Ensino Secundário do que os de ensino misto.

Algo similar acontece com a educação no Canadá, onde mais de metade dos vinte centros de ensino com resultados académicos mais brilhantes são exclusivos para meninos ou meninas.

Na Austrália, a conclusões similares chegou o Australian Council for Educational Research no ano de 2001, depois de realizar uma investigação em que participaram 370 000 alunos. Segundo este organismo independente, os alunos educados em salas de aula de um só sexo tinham obtido resultados académicos entre 15% e 22% melhores do que os que frequentavam escolas mistas. 

Equal and Different? Yes, but what Really Matters? También http://www.acer.edu.au
A-Level results 2012: results from 427 state schools. The Daily Telegraph 17 de agosto de 2012 http://www.telegraph.co.uk/education/leaguetables/9482674/A-Level-results-2012-results-from-427-state-schools.html 

TWITTER